Sobre Barca d'Alva

De Barca D’Alva já se vê Espanha. Aqui começa o Douro português e a beleza que o torna num rio tão único. Esta região fronteiriça pertence ao concelho de Figueira de Castelo Rodrigo e está integrada no Parque Natural do Douro Internacional.

Conhecida por ser uma das localidades mais típicas de Portugal, Barca D’Alva serviu de refúgio e inspiração a Guerra Junqueiro, que durante vários anos foi proprietário da Quinta da Batoca, em tempos, uma das maiores do Douro.

Beleza natural das amendoeiras

Região de paisagens únicas, a beleza de Barca D’Alva não se fica, porém, pelo verde das margens e pela serenidade do rio. Entre finais de fevereiro e inícios de março, a aldeia veste-se de branco e rosa claro, com o desabrochar das amendoeiras, dando os primeiros ares primaveris aos habitantes. É, aliás, por esta altura que se celebra a Festa do Almendro, uma tradição com mais de 70 anos e que salta as margens do Douro para territórios espanhóis.

Caminhos de ferro que transportam História

A estação de Barca D’Alva esteve em funcionamento entre 1887 e 1988. Apesar de abandonada, a estrutura secular resiste à passagem do tempo e à mudança das estações, preservando muitos pedaços da sua História.

Para os mais aventureiros, a viagem até ao Pocinho faz-se a pé, pelo troço inativo da linha. São caminhadas com cada vez mais adeptos e que geram um misto de emoções: o espanto e o encanto com a beleza natural da região e uma quase angústia pela degradação da linha, que é lentamente engolida pela vegetação selvagem.

Pontos de interesse da região:

Estação ferroviária de Barca D’Alva

Caminhadas pela parte inativa da linha ferroviária

Festa do Almendro