Descubra a centenária Linha do Douro!

Descubra a centenária Linha do Douro!

Serpenteando a par do rio Douro, ao longo de cerca de 200km, a Linha do Douro é considerada uma das linhas férreas mais belas do país.

Da construção ao encerramento de Barca d’Alva

Impressionante obra de engenharia para a época, a construção da linha férrea do Douro prolongou-se de 1872 a 1887, durante a qual foram erguidas 35 pontes e 23 túneis, ao longo de um trajeto de cerca de 200km.

Os primeiros troços da linha do Douro foram inaugurados em 1875 – Ermesinde-Penafiel e Penafiel-Caíde. Já o trajeto até à Régua abriu a circulação em 1879 e ao Pinhão em 1880. Com este último, concluiu-se o propósito inicial da Linha do Douro – estabelecer uma ligação ferroviária entre o Porto e o Douro vinhateiro. No entanto, superado este objetivo, surgiu outro, mais ambicioso, – prolongar a linha até à fronteira com Espanha em Barca d’Alva – criando assim uma via de comunicação entre Portugal e Espanha, e daí para as outras capitais europeias. A ligação internacional, Barca d’Alva – Salamanca, foi inaugurada em 1887, ficando assim concluídos os 200km que totalizavam o trajeto da Linha do Douro.

Contudo, a ligação internacional não esteve à altura das expectativas, e em 1985, o governo espanhol decreta o encerramento do troço entre La Fuente de San Esteban e La Fregeneda. Por consequência, em 1988 é encerrado o troço entre as estações de Pocinho e Barca d’Alva, terminando de vez com a ligação à fronteira.

Linha do Douro, estação ferroviária de Barca d'Alva
Apesar da ligação internacional ter falhado, a construção da linha ferroviária do Douro foi um importante instrumento para a modernização da região, surgindo como uma alternativa mais eficaz ao transporte fluvial e permitindo o transporte regular de pessoas e mercadorias, nomeadamente do vinho.

A Linha do Douro nos dias de hoje

Atualmente, a Linha do Douro liga o Porto ao Pocinho, atravessando todo o Vale do Douro, numa extensão de cerca de 160 Kms, e sendo grande parte do percurso efetuado a par do rio.

Linha do Douro, estação ferroviária de S. Bento
A viagem de comboio tem início na cidade do Porto, atravessando Ermesinde e os concelhos de Penafiel e Marco de Canaveses. À medida em que a área metropolitana do Porto fica para trás e o Douro se aproxima, a paisagem torna-se mais rural. É a partir de Mosteirô que o Douro vinhateiro, classificado pela UNESCO como património da Humanidade, se revela. Encostas verdejantes e rochosas, cobertas de vinhedos, de onde surge amiúde uma quinta, que produz o famoso Vinho do Porto.
Linha do Douro, paisagem do douro vinhateiro
Além da deslumbrante paisagem, viajar na linha do Douro significa cruzar uma série de magníficas pontes, impressionantes túneis e belíssimas estações de comboio.
Na totalidade do seu trajeto, a Linha do Douro tem 23 túneis, sendo que um dos mais populares, talvez pela sua extensão – 1,1km -, é o túnel de Caíde, no troço Caíde – Marco de Canaveses. E, também, 35 pontes, da qual se destaca a ponte ferroviária de Ferradosa, de estrutura metálica e 375 metros de extensão, é uma das mais fotografadas da Linha do Douro.
Linha do Douro, ponte de Ferradosa
Quanto às estações, destacam-se pela sua beleza singular as estações do Pinhão, que exibe 24 painéis de azulejo alusivos às vindimas, e do Pocinho, um edifício amarelo onde se destacam os painéis de azulejos azuis com cenas rurais e cujo o alpendre do cais é suportado por consolas em forma de margaridas.
Linha do Douro, estação do Pinhão
Na época estival, o comboio histórico a vapor percorre o troço Régua – Tua, transportando os turistas para o Douro do passado. É também na Régua que atracam a maioria dos cruzeiros que navegam o Douro, permitindo assim aos passageiros conhecer a região através de duas perspectivas – a navegar pelo rio e viajando de comboio. Na nossa opinião, esta é a combinação perfeita para quem quer descobrir os encantos escondidos desta que é uma das mais belas regiões de Portugal – o Douro.